Servidores alertam que Câmara Legislativa pode se tornar um “covidário” no DF

Compartilhe!

Jornal de Brasília – Servidores da Câmara Legislativa do DF temem que o retorno do trabalho presencial amplie riscos de contaminação por Covid-19. Em cumprimento a uma decisão da Mesa Diretora, os trabalhadores retomaram as atividades nesta segunda-feira (02), orientados a manterem os cuidados de prevenção à doença, medidas consideradas insuficientes para garantir a saúde dos frequentadores do espaço Para o Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo e Tribunal de Contas do DF (Sindical), a medida é precipitada e põe em risco, principalmente, as pessoas que ainda não foram imunizadas, cerca de 80% da população do DF, segundo dados do Consórcio de Imprensa.

Nesta terça (03), haverá mobilização para sensibilização dos parlamentares, a partir das 14h, na entrada principal do edifício.

Segundo o presidente da entidade, Jeizon Silverio, as medidas preventivas, como o uso de máscaras e o afastamento social, não têm sido cumpridas à risca pelos frequentadores da Câmara. Ele argumenta que o retorno intenso do fluxo de pessoas, normais à rotina do Legislativo e a realização de atividades coletivas, como reuniões e audiências públicas presenciais, por exemplo, criem um ambiente propício para o aumento do número de infecções. “A Câmara corre o risco de se tornar o epicentro da Covid-19 no DF”, alerta.

“A retomada de audiências públicas e sessões solenes transformará a Câmara Legislativa num verdadeiro ‘covidário’”, teme Silverio.

O servidor afirma que não haveria a necessidade do retorno de todo o efetivo de servidores neste momento porque a maioria delas poderiam continuarem sendo realizadas de forma remota sem prejuízo aos trabalhos da Casa. Para ele, o retorno dos servidores é um ato político de solidariedade do presidente da CLDF, Rafael Prudente, ao governador Ibaneis, ambos do mesmo partido, que determinou o retorno dos servidores do Executivo.

Para o presidente do sindicato, apesar de o DF contar com o maior orçamento per capita do País, tem a terceira maior taxa de transmissão e o quinto em maior número de contaminações dentre as demais unidades da Federação. “A Câmara está seguindo um mau exemplo”, diz.

Contaminações

Desde o ano passado, mais de uma dezena de parlamentares foram infectados pelo vírus. Nesta segunda (02), a assessoria do deputado Guarda Jânio (Pros) informou que houve piora do quadro de seu quadro de saúde. O parlamentar está internado desde o dia 29 de julho.

Embora o parlamentar possa ter se contaminado fora da CLDF, em suas redes sociais são comuns imagens em que ele aparece próximo de outras pessoas, descumprindo medidas de afastamento social e sem usar máscara nas dependências da Casa.

Outro exemplo, foi a sessão solene em comemoração ao aniversário do Corpo de Bombeiros, em 1 de julho, proposta pelo deputado Roosevelt Vilela (PSB), conforme demonstram os registros do evento feitos pela Assessoria de Imprensa da Câmara. Nas imagens, o parlamentar e seus convidados posam aglomerados e sem o uso de proteções individuais.