Coronavírus: veja o que abre e o que fecha no DF após decretos

Metrópoles – Com a publicação de diversos decretos para evitar a propagação do novo coronavírus em toda a capital do país, o Metrópoles preparou um guia sobre o que abre e o que fecha na cidade para facilitar a vida da população.

A partir desta quinta-feira (19/03), a lista de proibições no DF atinge outro patamar: bancos, shoppings, parques, casas noturnas e boates têm de suspender as atividades.

Nem mesmo o Zoológico de Brasília escapou. Desde sábado (14/03) também estavam suspensos cinemas, teatros e academias.

Foram mantidos apenas os serviços considerados essenciais e de extrema utilidade pública: áreas de saúde, segurança, vigilância sanitária, comunicação, assistência social, órgãos de fiscalização do consumidor, além da coleta do Serviço de Limpeza Urbana (SLU) e das fiscalizações da Secretaria de Estado de Proteção da Ordem Urbanística do Distrito Federal (DF Legal), e da Receita do Distrito Federal.

Veja como ficam os serviços públicos nos próximos dias no DF:

– Supermercados e farmácias: funcionam normalmente. O sindicato do setor orienta os brasilienses a manterem o padrão normal de consumo e afirma que tem estoque para 60 dias.

– Shoppings da cidade: vão fechar as portas a partir desta quinta-feira (19/03). O decreto, publicado em edição extra do Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) nessa quarta-feira (18/03), incluiu o “atendimento ao público em shoppings centers, feiras populares e clubes recreativos”.

– Zoológico (foto em destaque) e parques ecológicos: ficarão fechados no DF, Zoológico, parques ecológicos, recreativos, urbanos, vivenciais e afins, além de boates e casas noturnas. A medida deve durar por 15 dias.

– Transporte público: de acordo com a Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob), o serviço de ônibus e metrô segue sem interrupção e com reforço na limpeza.

– Detran: os atendimentos presenciais estão suspensos. O órgão oferece 14 serviços que podem ser feitos por meio eletrônico (clique aqui). Somente atividades de engenharia e fiscalização funcionam em regime de escala.

– Na Hora: serviços temporariamente suspensos na Rodoviária do Plano Piloto. Atendimento só volta na segunda-feira (23/03). O Metrópoles tentou contato com todos os outros postos, incluindo o telefone destacado da Subsecretaria de Modernização do Atendimento Imediato ao Cidadão, mas não houve resposta.

– Sesipe: a visita aos presos da Papuda estão suspensas. Em princípio, a medida vale até a próxima sexta-feira (20/03).

– Junta Comercial: o atendimento presencial está suspenso. Os usuários podem utilizar o chat on-line de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 16h30.

– Agências bancárias de Brasília: Governo do Distrito Federal (GDF) proibiu atendimento ao público em todas as agências bancárias de Brasília. A determinação vale para unidades públicas e privadas. A alternativa é usar os outros canais, como atendimento virtual e por telefone. O decreto foi publicado em edição extra do Diário Oficial local (DODF) na noite dessa quarta-feira (18/03). Os caixas eletrônicos permanecerão em funcionamento e com reabastecimento normal.

– Banco de Brasília: o Banco de Brasília (BRB) manterá o expediente interno de suas agências, realizando apenas os atendimentos permitidos. Todos os empresários que estão sendo prejudicados pela pandemia do coronavírus e têm a intenção de aderir à nova linha de crédito, de R$ 1 bilhão, fazem parte da exceção do decreto e poderão ser atendidos nas agências. A intenção é resolver tudo virtualmente, mas se for necessário o comparecimento, o BRB atenderá casos específicos.

– Escolas e creches: os colégios públicos e particulares do Distrito Federal estão com as aulas suspensas. Nessa quarta-feira (18/08), a Justiça do Trabalho mandou as creches da capital fecharem por 15 dias.

– Academias e centros de lazer fechados: no domingo (15/03), o GDF determinou a suspensão das atividades por 15 dias para as academias de esporte de todas as modalidades e para os museus. A Secretaria de Proteção da Ordem Urbanística (DF Legal) ficou responsável por fazer a fiscalização e pode atuar junto às forças policiais.

– Caesb: o atendimento presencial nos escritórios externos está suspenso e vale por 15 dias. Os serviços podem ser pedido pelo aplicativo de autoatendimento, disponível para download nos sistemas Android e IOS. O site do órgão também oferece revisão ou segunda via de contas, alteração de titularidade e vencimento, além de informações sobre consumo de água, consulta de protocolos. Há a opção virtual de atendimento pelo telefone 115 ou pelo WhatsApp (61) 98480-5115 (somente para as localidades de Ceilândia, Samambaia, Sobradinho, Planaltina e Taguatinga).

– CEB: o atendimento presencial deve ser evitado. O cidadão deve solicitar serviços pelo aplicativo para smartphone, chamado CEB Distribuição ou diretamente no site.

– Restaurantes comunitários: os 14 restaurantes comunitários do Distrito Federal estão vendendo marmitas para que sejam consumidas fora das unidades e, assim, evitar a aglomeração.

– Bombeiros, polícias, Samu e Defesa Civil: dúvidas sobre a doença podem ser tiradas pelos serviços 193 (Corpo de Bombeiros); 192 (Samu); 190 (Polícia) e 199 (Defesa Civil). Todos eles, e principalmente os bombeiros, porém, pedem que só seja solicitado transporte para pessoas com falta de ar aguda e demais sintomas do coronavírus, além de não possuir meio de transporte próprio. Há congestionamento na linha porque há muitos pedidos que poderiam ser evitados.

– Saúde, segurança, vigilância sanitária, comunicação e órgãos de fiscalização do consumidor: todos esses serviços não são atingidos pelo ponto facultativo e funcionarão normalmente. No entanto, o que puder ser feito por telefone ou por meio eletrônico, como a Delegacia Virtual, deve ser usado preferencialmente.

Nathalia Cardim